VOCÊ É O TRIBUNAL DE DIREITO COMUM – BRASIL

VOCÊ É O TRIBUNAL DE DIREITO COMUM

Nossos sistemas estatais de justiça estão falhando as pessoas porque eles protegem os interesses estabelecidos perante o interesse público, eles também não fornecem mais as pessoas com um remédio legal.

Como homens e mulheres, temos o direito inalienável de responsabilizar pessoalmente aqueles que cometem crimes contra o povo.

Assim, o povo optou por convocar os tribunais de direito consuetudinário, como alternativa legal, para fornecer um remédio legal que preservasse o interesse público e que não tivesse nenhum interesse adquirido.

Justiça como se pretendia trabalhar, com base no Direito Natural.

Na Escócia, em um desses casos, três juízes foram convocados para responder às acusações de que estavam cometendo crimes contra o povo. Eles não responderam, não participaram do processo de mediação pré-julgamento e não compareceram à audiência de julgamento. Esta é uma admissão tácita de culpa.

Agora, para frustrar a vontade do povo, esses três juízes usaram seu sistema estatal para atacar dois homens, resultando em sua detenção ilegal, acusações errôneas e para coagi-los em seus próprios tribunais, para vingar-se deles por meio de um abuso terrível. do processo.

Esses juízes alegam que as pessoas não têm o direito de criar seus próprios tribunais, embora não forneçam prova disso, não querem que as pessoas interfiram em seus negócios de monopólio ou as responsabilizem perante o povo.

Você acredita que a autoridade está nas pessoas?

Você acredita que o Estado deveria prestar contas ao povo?

Você acredita que todos devem ser responsabilizados pessoalmente por quaisquer crimes que cometerem?

Se você concorda, por favor imprima a mensagem de apoio do tribunal de direito comum usando este link: EU SOU A CLC – BRASIL, tire uma selfie com ela e envie a foto por e-mail para info@commonlawcourt.com

Agora é a hora de ficar juntos, proteger seus direitos.

Todo mundo é responsável por seu comportamento, não é mais
aceitável para o povo sofrer.

NÓS SOMOS O TRIBUNAL DE DIREITO COMUMT